Paulo Guedes apresenta reforma tributária no congresso

Extinção e unificação dos impostos PIS e CONFINS, simplificação e transparência.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
 - Publicado em 21/07/2020 às 
16:02
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

O Ministro da Economia do Governo Bolsonaro, Paulo Guedes, enviou nesta terça-feira (21) o primeiro trecho da proposta da reforma tributária. A proposta deve simplificar o sistema de taxação brasileiro além de deixá-lo mais transparente.

O texto foi entregue pessoalmente pelo Ministro Guedes ao Deputado Federal e Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) assim como ao Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O proposta prevê a extinção e unificação dos impostos PIS e COFINS com a criação de um novo e único imposto chamado CBS (Contribuição Social sobre Bens e Serviços). O texto apresentado indica que este novo imposto segue um modelo internacional conhecido como IVA (Imposto sobre Valor Agregado) e aqui no Brasil ele terá uma alíquota de 12%.

Para que o novo modelo de tributação passe a vigorar é necessário que texto seja aprovado tanto pela Câmara dos Deputados quanto pelo Senado Federal. O Presidente de cada casa tem a prerrogativa de pôr a pauta em votação.

Caso seja aprovado, a proposta prevê um período de transição de 6 meses entre o modelo atual e o CBS. Para agilizar o processo ao invés do Governo Federal enviar uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), Guedes preferiu enviar propostas.

Segundo informações do governo federal, serão enviadas outras propostas de reformulação de IPI, Dividendos e Imposto de Renda. Por enquanto, também está fora da proposta a criação do imposto sob movimentação financeira.

Como as alterações se referem a arrecadação federal não haverá necessidade de mudanças na constituição federal no entanto precisa de aprovação nas casas legislativas, o imposto estadual ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e o municipal ISS (Imposto Sobre Serviços) não sofrerão nenhuma mudança.

Numa pesquisa do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário) feita em 2019 com 30 países mostrou que o Brasil está em último lugar quando ser refere ao retorno de benefícios ao cidadão em relação ao impostos pagos.

Tags: 
VEJA TAMBÉM:
Política Nacional
Operação Topique: possível presença de três incoerências em nota do PT
Economia
PIB do Brasil pode crescer 5,42% a mais com Reforma Tributária, confira
Política Nacional
URGENTE: Jair Bolsonaro entra com uma ADIN contra o STF e a favor da liberdade de expressão
Opinião
Liberdade de expressão está sob ameaça, entenda o motivo
error: Conteúdo protegido!